Os riscos de não fazer um background check adequado em sua empresa

Crimes virtuais, fraudes, roubos…esses são apenas alguns dos riscos que assombram a rotina de qualquer empresa no dia a dia. Por isso, as organizações têm adotado medidas preventivas para evitar prejuízos que podem decorrer dessas atividades criminosas – uma dessas soluções é o background check, processo em que se checam e validam informações de um potencial cliente, fornecedor ou mesmo de um colaborador, com o objetivo de fortalecer a segurança interna e toda a cadeia de operações do negócio. Mas você sabe quais os riscos de não adotar esse processo de verificação na sua empresa?

1. Maior ocorrência de fraudes

O Global Identity and Fraud Report, pesquisa realizada pela Experian, aponta que 7 em cada 10 negócios brasileiros registraram aumento de prejuízos decorrentes da ocorrência de fraudes digitais em 2018, colocando o Brasil como um dos países que mais tiveram perdas, atrás somente do Reino Unido e Estados Unidos. 

Uma outra pesquisa feita pelo Serasa Experian apontava que os brasileiros sofreram 1,8 milhão de tentativas de fraude no ano de 2017 – um aumento de 9,5% quando comparado com 2016, o equivalente a uma tentativa de fraude a cada 16 segundos. 

Adotar um procedimento de background check detalhado, que envolva a validação de documentos como CPF e CNPJ, pode evitar a entrada de fraudadores em sua empresa. Esse tipo de checagem confirma a situação cadastral da pessoa ou empresa investigada, dados inconsistentes, dívidas ativas e outras informações que, quando não validadas, podem oferecer riscos ao seu negócio.    

2. Aumento de vulnerabilidade aos cibercrimes

Se você não sabe quem coloca em sua empresa – e isso vale tanto para colaboradores quanto fornecedores – também fica mais vulnerável aos crimes virtuais que podem ser originados dentro do seu próprio negócio. Segundo a IBM, esses casos correspondem a 60% dos ciberataques sofridos pelas organizações. 

E esse é um cenário com o qual você realmente deveria se preocupar, já que a Norton Cyber Security coloca o Brasil em segundo lugar na lista dos países que mais sofrem com crimes cibernéticos, afetando 62 milhões de pessoas e sendo responsáveis por prejuízos que chegam a US$ 22 bilhões. 

As causas dos ataques são as mais variadas possíveis, mas quando se trata de ameaças internas, geralmente a origem está na insatisfação com o trabalho ou até mesmo na vontade deliberada em conseguir vantagens financeiras por meio de informações sensíveis da organização. O estudo 2018 Costs of Insider Threats, do Ponemon Institute, divulgou que as perdas anuais com perigos internos à empresa podem atingir o valor de US$ 8.7 milhões. 

Outros números interessantes mostram que, dos 3.269 ataques reportados no estudo, 64% foram causados por conta da negligência de colaboradores internos ou terceirizados, 23% foram atribuídos a causas criminosas e 13% envolveram roubos de credenciais, onde pessoas externas conseguiram acesso às informações particulares das companhias entrevistadas.

3. Alta taxa de churn de colaboradores

A não realização de um background check ou a ausência de soluções que entreguem um nível de assertividade adequado aos procedimentos também podem ocasionar altas taxas de rotatividade entre os contratados, o que gera mais custos com as demissões, novas contratações e, em alguns casos, até advogados. Em entrevista à Robert Half, empresa especializada em recrutamento, 44% dos gestores brasileiros apontam que até 10% da rotatividade de funcionários são causadas por falhas no momento da contratação. 

4. Ambiente seguro para colaboradores e usuários do seu serviço

Segundo a Society For Human Resource Management (SHRM), 36% dos colaboradores estadunidenses já reportaram incidentes violentos no ambiente de trabalho, que resultaram em agressão física ou verbal para outros funcionários e clientes da empresa. E engana-se quem pensa que esse cenário só acontece por lá – no Brasil, uma pesquisa da Vagas.com realizada em 2015 apontava que 52% dos profissionais entrevistados relataram terem sido vítimas de assédio sexual ou moral. 

Todos os dados acima registram a importância de realizar uma checagem minuciosa, de ponta a ponta, na sua empresa. O background check pode ser um dos meios de manter um ambiente saudável e seguro, estendendo essa segurança também aos usuários finais do seu serviço. Além disso, ele pode evitar gastos desnecessários e desgastes na imagem da sua organização. Neste texto, você descobre como escolher a melhor ferramenta para fazer as validações necessárias e não cair em uma cilada! 

Por Karina Menezes

Relacionados
Já explicamos em outros textos o que é um procedimento de background check, as leis [...] Leia mais
Realizar um processo de background check minucioso requer consultas em diversas fontes de dados, públicas [...] Leia mais
Realizar o procedimento de background check em potenciais parceiros, clientes e colaboradores é uma forma [...] Leia mais
Carros compartilhados, novas formas de oferecer acomodações e hospedagem, plataformas que possibilitam maior inovação na [...] Leia mais